08 março 2015

8/3

Se o dia da mulher fosse um marco pela igualdade chamar-se-ia dia da igualdade. Mulher nenhuma quer ser igual - acredito - ao homem. O problema reside na sobernia e no poder de decisão, por um lado, na conivência e falta de opção por outro. 
Acresce a inércia que muitas vezes temos, em deixar andar mesmo quando sentimos na pele ou vemos acontecer (e aqui não é preciso ser mulher). 
O dia serve para recordar, para nos fazer falar. Mesmo que de ano a ano digamos a mesma coisa, se mudar qualquer coisa, já valeu. 

Os exemplos são desnecessários neste post, a Polo Norte deu quantos bastem. 

1 comentários:

GATA disse...

Os anos. As décadas. Os séculos passam. E poucas mudanças existem. As mulheres continuam a ser discriminadas nos locais de trabalho, sobretudo pela gravidez; continuam a ganhar menos que os homens; continuam a ser vítimas de violência somente porque são mulheres. Enfim...