24 fevereiro 2015

Procurar de olhos fechados

Intriga-me a falta de vontade e empenho com que algumas pessoas desempregadas procuram trabalho. Sobretudo jovens. Ou talvez me faça confusão que haja tão pouca necessidade de se sentirem úteis à sociedade, de se dedicarem a alguma coisa...com sorte de aprenderem coisas novas. 
Eu gosto de preguiça e metade dos dias não me apetece ir trabalhar. Mas sei que o pior que há é estar parada por falta de alternativa...sinto uma angústia crescente na maioria dos dias e não a sensação boa de férias, de dias sem obrigações ou planos.

Pior de tudo é ver pessoas a desperdiçarem oportunidades pertinentes, nem mostrarem interesse, na área em que estudaram. Isso é só irritante. 

Isto tudo porque navegando no linkedin dei com uma pessoa (ex colega) que contactei há uns meses para saber se estava interessada numa vaga temporária...no perfil ainda a mesma mensagem "à procura"...  







4 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Quem precisa mesmo agarra-se ao que puder sem olhar duas vezes, acontece que muita gente vive despreocupada porquanto tem os pais ou Estado a pagar a sua boa vida, a qual é mais importante do que o resto da sociedade, pelo que trabalhar sim, mas só se for pouco e a ganhar muito!

Mnemósine disse...

Mesmo os que precisam habituam-se ao encosto de uma forma aflitiva...tenho no meu facebook um ex colega de trabalho que está desempregado há imenso tempo e que posta frequentemente links para notícias e afins sobre o rendimento não sei do que, comentando ele por seu lado que todo o ser humano deve ter direito a receber o suficiente para ter uma vida digna. E eu fico quieta mas só me apetece comentar-lhe os posts todos a dizer que vá trabalhar que tem saúde para isso.
E é isto uma pessoa casada e com um filho.

Fuschia disse...

Não entendo a generalização. Conheço demasiadas pessoas desempregadas que procuram por todos os meios fazer meia dúzia de trocos para se irem aguentando dia a dia. De certeza que alguns são preguiçosos, mas não haverá pessoas assim em todo o lado e de todas as idades?

Mnemósine disse...

Fuschia provavelmente tens razão. Dai também eu dizer "algumas pessoas" e não dizer "todos os desempregados"...mas como em tudo, chama-nos mais a atenção o que está mal e incomoda, o que está bem tende a ficar no espectro da normalidade sobre o qual falamos menos.