29 julho 2011

Amor de Perdição CXXIII

0 comentários
"God grant me the serenity to accept the things I cannot change, the courage to change the things I can and the wisdom to know the difference."

Frase batida em filme e séries, muito associada aos 12 step programs.

Gosto.
Deus e serenidade não são de todo os meus fortes mas gosto na mesma.

27 julho 2011

Estado do Mundinho (versão light)

1 comentários
Sempre me perguntei como e porque é que isto nunca acontecia:
dois nadadores terminam prova com o mesmo tempo
(inclui video)
Giro.

Fenprof lamenta incapacidade do Governo.
Finalmente, senhores, finalmente o povo português pode concordar com o que a Fenprof diz (mas é melhor não aprofundar senão voltamos à estaca zero)

Advogado de Breivik diz que norueguês será "louco" - bolas, quem diria? E um advogado de defesa a afirmar tal coisa?!

Também queria linkar para a Grande Reportagem da Sic de domingo passado, sobre a indústria do lixo em Portugal. Estava muito interessante. Mas não consegui encontrar o vídeo :(

26 julho 2011

Ódio de estimação CXXIII

3 comentários
Odeio o lugar cativo que a insegurança está a tomar no nosso dia-a-dia.

Não basta tudo aquilo a que não podemos escapar e agora temos a presença continua desta nuvem - são os loucos na estrada (sou só eu a achar que está cada vez pior?), os loucos com armas, os loucos das agências de rating, mais os que cortam nos empregos, nos ordenados, nos subsídios (que não sendo loucos fazem uma boa contribuição para a insegurança).

E a despreocupação sabe tão bem...

25 julho 2011

(sem título)

2 comentários
93 mortos confirmados [posso dizer "à hora de fecho desta edição"?] em Oslo, mais 1 em Londres.

Estranhamente, o volume de notícias divide-se desproporcionalmente, talvez 50-50.

Tenho pena pela morte da Amy Winehouse. Aliás, mais do que isso, lamento. Mas... embora não esteja confirmado, é evidente que a Amy morreu porque fez asneiras, porque não quis ou não conseguiu parar mesmo sabendo que se destruía rapidíssimo. Tenho pena pelas músicas que deixarei de ouvir e lamento por aqueles que gostavam dela e que a perderam. É só.

Pelas outras 93 pessoas lamento ainda mais: ali estavam eles minding their own business, num país pacífico, calmo, ordeiro e com uma civilidade invejável. E supostamente bastante seguro, certo? Além dos 93 e respectivos amigos e familiares, um atentado destes abana todo um povo e mesmo tendo sido planeado por um único homem, a sensação de segurança não vai voltar a ser a mesma para as gerações que viveram isto naquela cidade e no país.


Por isso, que a Amy descanse em paz, que as suas músicas prevaleçam (porque sim, porque gostamos, não porque morreu - isso seria ofensivo). Mas o meu pesar está todo com os Noruegueses.
Tão simplesmente por isso, não termino este post com uma das músicas da Amy Winehouse, uma qualquer porque gosto de quase todas. Termino com uma fotografia de Oslo, com quase um ano.



22 julho 2011

Inqualificável

6 comentários
Bebé deixado numa estrada para ser atropelado (Rússia)

As pessoas que deixam os bebés no lixo já me metem nojo, uma mãe e um tio que deixam um bebé numa estrada perigosa, a seguir a uma curva, numa noite... não têm qualificação, não há problema nenhum que possam alegar que torne a escolha menos cruel.
E ficam a assistir.
Não há palavras.

21 julho 2011

Amor de Perdição CXXII

7 comentários
Gosto destas coisas das redes sociais e da internet como meio de interacção.
Gosto, pronto. Há quem goste de ir tomar café, eu gosto de mandar larachas pela net (haja quem me dê atenção).


(mas esta de o /a google se atirar às redes mas depois demorar pra lá de muito tempo a "abrir ao público" não me agrada. Já se despachavam)

20 julho 2011

Pergunta para queijinho

7 comentários
Como se chama a série da imagem?
...
...
...

Passa na Fox Life e já passou na sic.

Chama-se: Em contacto (na foxlife), Entre Vidas (na sic), Entre Fantasmas (na edição dvd que está à venda, edição espanhola julgo), Ghost Whisperer (no original). Isto só título utilizados no nosso pedaço de terra.

Viva a proliferação de opções...

19 julho 2011

Ódio de estimação CXXII

2 comentários
Odeio pessoas pouco cuidadosas; trafulhas.

Fazer as coisas bem dá pouco mais trabalho que fazer as coisas mais-ou-menos, irrita-me que se abandalhe.

(Ainda ontem, foram entregar-me as compras do hipermercado a casa. Bem sei que são muitas coisas e que o trabalho dos rapazes além de ser uma treta deve ser mal pago - logo a motivação é pouca - mas custará assim tanto fazer pouco barulho com os caixotes? Pareceu-me que bastava não atirar com tudo e chateou-me porque se a barulheira me incomodou a mim, que recebia as compras, deve ter incomodado mais os vizinhos, que nada tinham a ver com o assunto).

18 julho 2011

Todos os dias alguém descobre a pólvora

2 comentários
É o que vale.

O Sol noticia: Arrendamento tem preços desajustados.

Era muito difícil perceber isto.
Se compararmos o ordenado mínimo nacional com o preço mais baixo do arrendamento de uma casa minúscula numa cidade ou arredores próximos e depois subtrairmos o segundo ao primeiro, dá para uma pessoa comer e comprar o passe social. Granda sorte.
Se pegarmos num ordenado médio, numa casa aceitável numa zona periférica com uma renda também dentro do habitual, se atribuirmos o conjunto a uma família comum - com um ou dois filhos, um ou dois ordenados dos médios - e depois fizermos contas... Bom mas será preciso fazer contas ou toda a gente sabe como é?

Pois.

17 julho 2011

Coisas que nunca irei compreender

7 comentários
Como é possível a algumas mulheres terem malas mais pequenas que a minha carteira/porta-moedas.

15 julho 2011

Exames Nacionais

5 comentários
Parece que a crise chegou aos exames nacionais.

As negativas a matemática passaram de 13% para 20%, culpa da prova que era mais difícil. E Português teve média negativa, consta que é o pior resultado dos últimos 14 anos.

Por esta altura deve haver algumas centenas de jovens com as férias estragadas, pelo menos sempre que pensarem que ainda falta imenso tempo para saberem os resultados - se entraram no curso que queriam ou noutro ou em nenhum.

Ainda assim, o facto de as provas terem sido mais difíceis e não mais fáceis que as dos anos anteriores parece-me interessante.
Nos últimos anos a vontade (desespero?) de obter bons resultados para mostrar ao mundo, para aumentar os níveis de escolaridade da população, resultou no enfraquecimento do sistema e consequentemente do domínio das matérias. É bom saber que o laxismo que se começava (?) a instalar não se manteve só para encerrar com resultados bonitos a era Sócrates.

14 julho 2011

Amor de Perdição CXXI

7 comentários
Gosto que gostem de mim.

Simples? Mas nem sempre se nota.

13 julho 2011

A história repete-se

4 comentários
A receita é sempre a mesma e eu fico sempre parva.

Pedido de esmola + muita fome + metro.

Jovem entra no metro e vai pedindo "qualquer coisinha que eu tenho tanta fome e não tenho nada para comer". Vai avançando e pedindo, ninguém dá (os viajantes da noite são mais sovinas que os da tarde). Aproxima-se do lugar onde estou e fixo-lhe os pés: botas da Timberland.

...
Não lhe tiro os olhos das botas que tenho (quase) a certeza serem originais. Por essa razão ou pela minha permanente cara de poucos amigos, pediu nos bancos do lado oposto àqueles onde eu estava mas não a mim e aos que estavam do mesmo lado que eu.


Não acho normal.

12 julho 2011

Ódio de estimação CXXI

0 comentários
Chateia-me muito perder boas oportunidades e companhias para conversas interessantes e que beneficiem o intelecto apenas e só porque o contexto não é propício.

O conceito de off-topic era perfeitamente dispensável.

11 julho 2011

Há gente mesmo muito desocupada

5 comentários
Cito, da Visão online:

Depois da moda do 'planking', da Austrália chega mais uma tendência insólita: pedir um cone num drive-thru e quando o funcionário entrega a encomenda, o cliente pega diretamente no gelado, em vez de o fazer pela bolacha...


Se seguirem o link podem perder o vosso tempo e ver um jovem fazê-lo vezes seguidas.

Nem vou falar de questões éticas porque não espero que uma cabeça que se lembra de tamanha imbecilidade pense nos problemas no mundo ou respeite quem trabalhe, mas esta gente não tem nada para fazer ao dinheiro (já que claramente não tem nada para fazer ao tempo livre)?

09 julho 2011

(sem título)

6 comentários
A Refer constrói um muro ao longo de parte de uma linha de comboio. Acontece que o muro impede os habitantes locais de terem uma passagem directa para a praia, atravessando a linha de comboio. Então claro que o melhor não é andar 600 metros e passar para a praia onde é devido, parte-se o muro e atravessa-se a linha.
Depois vai a Refer e constrói novamente o muro.
E no mesmo dia o muro é partido, porque a praia é logo ali.

"Porque nunca morreu ali ninguém" - dizem à repórter.

No dia em que morrer alguém na linha a culpa vai com toda certeza ser atribuída à Refer, e não à estupidez do povinho.

Haja paciência.

08 julho 2011

(sem título)

2 comentários
Há mais contestação e revolta por conta de um parecer de uma agência que se dedica a classificar tudo o que mexa com dinheiro do que por conta das centenas de pessoas que fogem aos impostos, arranjam estratagemas e mentem descaradamente para poderem pagar menos do que todos os outros.

Se todos pagassem conforme devem, 1/3 dos problemas financeiros do país não existiam. Como continua a haver quem se orgulhe e se ache esperto por fugir às obrigações que os outros cumprem (totós, de acordo com os primeiros), continuaremos com um sistema a quem muitos devem - alguns oficialmente outros nem por isso - mas que deve a todos.

E os culpados somos nós. Lixo ou não.

(mas a Moody's que se lixe na mesma)

07 julho 2011

Amor de Perdição CXX

1 comentários
Descobri que afinal, ao contrário do que tenho andado a vida toda a apregoar, o pequeno-almoço até é uma refeição que me agrada.
Tem é que passar das 10h30 da manhã, não ter tempo limite e ter sido feito com todo o carinho por alguém que não eu (pois que seja um desconhecido, muito agradecida na mesma).

Sou uma pessoa muito simples.
Não sei se já vos tinha contado.

06 julho 2011

Títulos: um perigo.

3 comentários
Ora bem...
Isto é daquelas coisas que se podem tornar perigosas. Eu cá acho que já bem basta uma pessoa passear-se no meio de pessoas que dançam e cantam no meio de lojas de discos, mas afinal não (não basta).

Há um cantor português de seu nome Nuno Guerreiro - para quem não esteja a ver é o da Ala dos Namorados - que tem uma voz
incomum, para homem, e distintiva. Bom, o novo álbum dele está em destaque na loja dos discos. E agora também no Ai que Nervos! para que possam ficar perturbados no conforto do lar ou do local de trabalho.

Sim, chama-se Gangster Mascarado.
Suponho que seja assim como uma versão bera do Zorro e que as letras versem sobre maldades, como assaltos a bombas de gasolina, um pouco como o 50cent e outros.

Isto dos títulos é um perigo.

05 julho 2011

Ódio de estimação CXX

4 comentários
Odeio decidir comprar um livro e só encontrar exemplares estragados - vincados, rasgados, descolados, mal encadernados, etc.
Para mim é como comprar um prato lascado. Ninguém compra, mas também ninguém expõe.

04 julho 2011

omg passou-se.

5 comentários
Será um anúncio publicitário? Será um vídeo para provocar ataques epilépticos? Será uma curta de um realizador sem noção nenhuma?
Não, é o novo vídeo da Britney Spears.

Ela, que nos últimos anos nem tem feito figuras tristes, agora decidiu voltar a ser estrela e sai-se com o vídeo abaixo, onde além de fazer publicidade clara e tonta a um perfume, uma máquina fotográfica, uma marca de maquilhagem, outra de electrónica, uma rede social e provavelmente várias outras coisas que eu não consegui identificar.
Além disto ainda se apresenta num vídeo com uma edição tão visualmente agressiva que não me espanta que seja proibido em alguns países com essas manias. E onde faz referência a uma quantidade considerável de filmes - Alice no país das maravilhas, Matrix, etc - criando uma tal confusão que...não há palavras.


01 julho 2011

Política de bancada

3 comentários
Lamento dizê-lo quando todos se lamentam da dor de bolso mas acho a medida anunciada ontem do corte nos subsídios de Natal perfeitamente normal, aceitável e até justa dentro do panorama actual.
Parece-me muito mais justo que paguemos todos do que apenas os funcionários públicos. Que paguemos "uma" vez, mesmo que seja numa altura em que o extra dá um jeitão (ainda mais do que em outras alturas), do que todos os meses tipo renda. E convenhamos que o valor resultante da medida - o que eles anunciam, claro - deve dar para pagar uma ou duas coisas.

Isto é um bocado como quando na escola éramos castigados apesar de não termos feito nada só porque o culpado da asneira não se acusava.
É uma merda, pois claro que é. Mas parece que todas as pessoas que têm andado a fazer malabarismo com as contas do Estado não têm que chegue, portanto pagamos todos.
(btw essa coisa de agora os ministros passarem a ser responsabilizados pelos excessos orçamentais... no creo.)