31 maio 2011

Ódio de estimação CXV

7 comentários
Odeio não saber bem o que quero em relação a alguma coisa.

Costumo saber.

Tenho a mania que sei sempre.

30 maio 2011

Oh, se seria!

5 comentários
Ainda sou do tempo dos cinemas de bairro.
E tenho saudades, não tanto do tempo mas dos cinemas. Da possibilidade de consultar o jornal e decidir descer a rua e ir logo ali ver um filme e voltar, 2h depois.
Sem a necessidade de ir com muita antecedência comprar bilhetes, sem ter de pensar como é com o jantar, sem ter de entrar antes da hora para ter um lugar decente e, sobretudo, sem estar sujeita a não poder estar em paz porque, afinal, uma sala de cinema ou uma mesa de café são igualmente adequados para pôr a conversa em dia. Ou porque, afinal, todos temos opiniões e podemos expressá-las (diz que é a liberdade de expressão). Etc, etc.
Pode ser dos tempos e da regressão no respeito pelo próximo, mas d'antes era tudo muito melhor, era um ritual, um momento especial. Agora é apenas uma coisa que todos fazem (embora, felizmente, escolhendo filmes diferentes)
Sinto que se houvesse uma salinha de cinema onde pudesse ir sossegada e sem ter de planear, seria uma pessoa mais feliz (na maior parte dos dias).

27 maio 2011

(sem título)

4 comentários
Prisão domiciliária é um conceito estranho.
Prisão para mim é sinónimo de castigo, de punição. Privação a vários níveis, mais ou menos conforme a gravidade dos actos cometidos, ou alegadamente cometidos, e durante mais ou menos tempo.
Prisão domiciliária, por si só, a meu ver, é um castigo mais leve que as outras formas de prisão.
É uma boa invenção mas está mal limada, o que faz disto um conceito estranho.

Neste caso do Strauss-Kahn, independentemente de ser culpado ou não daquilo de que o acusam, não vejo que tipo de prisão/castigo/punição possa ser para um homem como este passar a maior tempo num casarão enorme, com quatro casas de banho, zona de spa e ginásio, jardim privado e uma série de outras divisões grandes e arejadas. Sinceramente já passei férias em piores condições.
O maior incómodo parece ser uma pulseira que deve chatear um bocado. De resto, pode descansar, apanhar sol, ler e escrever, estar com a família e, não dúvido, ter acesso ilimitado a telefone, internet e , por conseguinte, ao mundo. Tudo isto com uma renda mensal superior ao ordenado anual de muito boa gente.

Em alternativa, note-se, o homem teria ficado encarcerado (com benefícios certamente, não vou agora por aí senão não paro de teclar). Ainda dizem que o dinheiro não traz felicidade...

26 maio 2011

Amor de Perdição CXIV

3 comentários
Há pessoas com mau feitio e pessoas que o disfarçam. Dentro do mau feitio, há mau e mau...isto é, há gente bera, insuportável e coisas que tal, e depois há os outros que é só preciso apanhá-los com bons ventos ou ter um bocadinho de paciência.
Eu cá sou destes últimos.

Isto para dizer que dentro do meu feitiozinho me (ai caraças não dá para escrever que "me pélo pêla") vejo em pulgas quando sei que vou ter oportunidade de conviver com os meus pares. É um mimo, uma perdição.
Tenho a felicidade de ter um tiozinho que é assim como eu, mas mais refinado pois que já leva mais anos nisto, e não vos digo nem vos conto o que me divirto quando nos sentamos os dois e deixamos quem se senta connosco assim mais ou menos de cabelos em pé. É divertido, sei lá.

25 maio 2011

Cozinha para que te quero?

3 comentários
Estou aborrecida porque o taxista ontem disse-me que hoje ia chover e hoje não me dá jeito nenhum, menos ainda que nos outros dias todos (e eu até aprecio a chuva).
Além disso anda meio mundo a escrever sobre ir à praia. E eu nem gosto nada de praia mas isso lembra-me que tem estado um calor de rachar ananases, como dizia o outro que eu nem sei quem era, e calor de rachar ananases está mesmo a dizer gelado de melancia. Que é meu oásis, caso não saibam.
Gelado de melancia é coisa rara, bom gelado de melancia é assim para o precioso. Há aquele da Ericeira mas fica-me fora dos caminhos e de resto os outros vão de maus a comestíveis.
O que me leva ao título deste post, que trocando por miúdos fica mais ou menos assim: como é que se faz gelado de melancia? E as melancias que estão à venda já são boas?

24 maio 2011

Ódio de estimação CXIV

1 comentários
Odeio que dêem o meu número de telemóvel a quem quer que seja sem me perguntarem ou informarem.
Assim de repente, bam, é como se estivesse na lista telefónica. Conforme as pessoas, durante uns tempos (um dia ou dias, semanas, um mês ou dois) acaba-se o tempo para descansar e o tempo para fazer as outras coisas todas, acaba-se o que é pessoal no tempo pessoal e o que é profissional no tempo pessoal.
Depois cessa. Até haver outra pessoa a quem talvez, eventualmente, quem sabe, possa ajudar de alguma forma e que peça o meu número a uma pessoa - a certa ou a errada, conforme quem olha.

(vá digam lá, também vocês, que a culpa é minha que deixo)

23 maio 2011

Breve questionário:

12 comentários
Satisfaçam-me a curiosidade:

1. Sabes qual é o teu tipo de sangue?
2. Tens de pensar ou a resposta é imediata, se a pergunta surgir?

Fim.
Agradecida.

20 maio 2011

Concordo com o Sócrates

4 comentários
Como é só a segunda ou terceira vez e é cada vez mais impensável que aconteça, achei digno de registo.

"Ninguém pode ficar em casa dia 5 de Junho"

(se ficarmos por aqui, estamos de acordo)

18 maio 2011

Can't help it

1 comentários
Dou com a notícia do casal israelita que chamou Like à filha e a única coisa que me ocorre é esta música e o seu vídeo. Depois lembro-me que a Like é um bebé inocente mas já é demasiado tarde, e a música já não me sai da cabeça.


17 maio 2011

Ódio de estimação CXIII

2 comentários
Às vezes por breves instantes apetecia-me voltar ao tempo em que os computadores eram uma raridade, em que tudo era feito à unha, no papel, assinado e carimbado. Talvez assim o mérito do trabalho bem feito fosse sempre atribuído a quem trabalha bem e não a quem se põe debaixo de um spotlight, à espera que a luz ligada por outros os ilumine (na certeza de que ninguém notará).

16 maio 2011

(sem título)

3 comentários
Estive a ver a notícia do lançamento do vaivém Endeavour, ao início da tarde, e fiquei com uma pergunta na cabeça: porque é que os miúdos continuam a dizer que querem ser astronautas quando forem graúdos?

Percebo o sonho nos primórdios das "naves espaciais" quando não se sabia metade e até se via as viagens ao espaço como turismo a outros planetas, mas hoje os miúdos mais interessados sabem tudo sobre o que lhes desperta interesse. O que não percebo é o encanto em passar dias a fio enfiados num espaço pequeno sem confortos, com comida a fingir, etc.

14 maio 2011

Olha

1 comentários
O blogger já funciona.
Agora não quero.

12 maio 2011

Amor de Perdição CXII

3 comentários
Gosto de ditados populares e do facto de haver um para todas as ocasiões.
Há sempre um bocadinho de sabedoria do povo para finalizar uma conversa, para preencher o tempo ou para não nos comprometermos.
Um bocadinho como entrevistas de rua durante o telejornal, os ditados têm a capacidade de dizer tudo sem acrescentar nada. Acho brilhante.

11 maio 2011

Há tanto tempo que não boto aqui uma teoriazinha

6 comentários
Depois de exaustivo estudo e, sem pena nenhuma, não podendo atestar conclusões através de experiência própria, concluí que todas aquelas pessoas que passam a vida a arranjar maneira de não fazerem coisa nenhuma devem cansar-se muito mais do que aqueles que efectiva e regularmente fazem o que devem e mais um bocado.

A mim cansa-me o stresse e stressa-me a ideia de ter coisas por fazer ou menos bem feitas ou, pior de tudo, mal feitas.
E assim concluo que também se devem cansar aqueles que tendo obrigações não as cumprem, mas não querem que todos saibam por isso têm de assegurar que alguém as cumpriu em seu nome.

Depois é o não ter nada para fazer mas parecer ocupado. Isso eu sei que é francamente difícil, pode não parecer mas é. E fazê-lo repetidamente implica criatividade e método.

E é isso. Mais uma teoria, esta a não comprovar.

10 maio 2011

Ódio de estimação CXII

8 comentários
Que me desculpem os fumadores mas das coisas que mais odeio é o cheiro do tabaco.
A forma como se entranha na pele e nos tecidos é das coisas mais inqualificaveis e só os não-fumadores conseguem ter essa percepção (confundida com implicação, tantas e tantas vezes).

09 maio 2011

Gostava que as pessoas fossem mais educadinhas

4 comentários
Era agradável, só isso.
Por exemplo, toda a gente sabe que as crianças pequenas gostam de dar corda aos sapatos e correr para longe dos pais. Às vezes a correria acaba quando se espetam contra uma porta de vidro. Acontece. Mas não custa dizer um obrigada quando a pessoa do outro lado da porta espera que cheguem ao pé da vossa criança para só depois empurrar a porta, garantindo assim que não há mais acidentes, como uma mão entalada. Assim como não custava mexer a porra do cu em vez de continuar calmamente, mas ok.

Outro exemplo, quando se atende ao público, imagine-se numa caixa pré-pagamento, o mínimo será olhar para os clientes e ouvi-los, em vez de olhar para o lado e continuar a conversa com o colega, dizendo às pessoas "só um bocadinho". Depois de terminarem a conversa pode na mesma olhar-se para a pessoa atendida.

E já agora, dispenso que me varram os pés mas passar a esfregona é um bocadinho pior. Deixai-me comer e voltai em 15min...sempre se evita igualmente que a minha mala vá parar ao chão e que eu vos amaldiçoe enquanto espero pelo pedido de desculpas (que chega).

06 maio 2011

Aprendendo com os erros

3 comentários
Depois da barraca que deram as últimas eleições com os cartões do cidadão e as mudanças automáticas de local de voto, que deviam ter sido alterações benéficas em vários aspectos, para as próximas está já a passar na televisão um anúncio sobre os procedimentos para quem precisa de votar antecipadamente.
Um bom indicio, espero eu, de que a coisa vai correr melhor desta vez.
Não há muitos anos era complicado saber como e obter autorização para poder votar antes da data, levando à desistência. Ninguém sabia, chutavam para canto. Agora tem uma linha telefónica própria.
Nada mal, nada mal.

05 maio 2011

Just sayin'

1 comentários
Mais do que o buraco financeiro, o inglês dos políticos portugueses humilha o país perante o mundo (o de língua inglesa, pelo menos).

Amor de Perdição CXI

2 comentários
A série Nip Tuck.

Tem tudo: personagens realistas e outras completamente passadas, problemas reais de todos as origens possíveis, é violenta e crua mas gravita à volta do amor - próprio, fraternal, parental, etc.
Tudo o que se passa é quase surreal mas estranha e facilmente estabelecemos paralelos com o que nos é próximo.
Love it.

04 maio 2011

Morte (?) de Bin Laden

7 comentários
Mais do que se o homem morreu agora, há meses ou nunca; mais do que o método de certificação da identidade; mais do que o método de captura...
Querem que acredite que os americanos respeitaram as tradições fúnebres islâmicas (a bordo de um porta-aviões)? E que depois o atiraram ao mar?

Ok.
Tipicamente americano. Tendo em conta o contexto, então...

03 maio 2011

Ódio de estimação CXI

3 comentários
Odeio pessoas que dão palmadinhas nas costas de quem lhes fez o trabalho que deviam ter feito e se esquivaram a fazer.
Se as costas forem minhas ainda odeio mais.



(fica melhor um obrigado e uma compensação mesmo que não seja equivalente)

02 maio 2011

(sem título)

1 comentários
O que deu em tudo o que é cão e gato para desatar a criar clubes de leitura?
Mas tem alguma piada andarmos todos a ler a mesma coisa? E depois trocar opiniões em "pequenos grupos"... fico à espera que comece o ditado ou a cópia.

Mas deve ser de mim.