31 agosto 2011

Ódio de estimação CXXVII

Odeio pessoas que passam a vida a criticar as manias dos outros, fazendo campanha contra o que se faz por vício, por hábito ou por gosto, mas depois parecem brinquedos de corda de tão formatadas estão as suas vidas (sem sequer se aperceberem disso).
Se é para criticar tão insistentemente, com tanta vontade, pelo menos que seja por terem uma ideia melhor e não por fazerem parecido ou por não fazerem nada de nada.

5 comentários:

hierra disse...

Eu acho que por um lado, ninguém está acima da critica, por outro nem todos têm moral para criticar...e quem vive de criticar os outros, é porque tem falta do que fazer!

Aflito disse...

Viver de criticar os outros é uma profissão.

Bastante popular em Portugal, diga-se.

Mnemósine disse...

Criticar, todos criticamos. Irritam-me estas pessoas que acham mal que os outros tenham as suas coisas e que implicam porque A gosta de ir à pesca todos os sábados e B bebe sempre dois cafés, porque A e B não vivem sem isso, mas depois não percebem que eles próprios têm mil destas manias incontornáveis.

Aflito disse...

Fazer auto-crítica é fodido.

Ah, e beber sempre 2 cafés é parvo.

Mnemósine disse...

Aflito é parvo mas é a parvoíce de cada um. Let it be, já dizia o outro.