13 julho 2011

A história repete-se

A receita é sempre a mesma e eu fico sempre parva.

Pedido de esmola + muita fome + metro.

Jovem entra no metro e vai pedindo "qualquer coisinha que eu tenho tanta fome e não tenho nada para comer". Vai avançando e pedindo, ninguém dá (os viajantes da noite são mais sovinas que os da tarde). Aproxima-se do lugar onde estou e fixo-lhe os pés: botas da Timberland.

...
Não lhe tiro os olhos das botas que tenho (quase) a certeza serem originais. Por essa razão ou pela minha permanente cara de poucos amigos, pediu nos bancos do lado oposto àqueles onde eu estava mas não a mim e aos que estavam do mesmo lado que eu.


Não acho normal.

4 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Um pobre que era rico, mas colocar as botas no prego é que não!

Filipa disse...

E se foi alguém que lhe deu as botas??
Alguém que já não gostava delas e as ofereceu, ou deu a alguma associação para que dessem a quem não tem o que vestir?

Eu também sou um pouco assim, dou, mas só se souber que o dinheiro é mesmo bem empregue...

Mas numa situção dessas é mesmo complicado saber quem precisa ou não!

GATA disse...

O meu pensamento é semelhante ao da FILIPA.

No entanto, há muitos anos, quando eu apanhava o comboio para Cascais, no Cais do Sodré havia sempre um tipo que pedia "20 escudos para ajudar a comprar o bilhete"... Um dia passei-me e disse-lhe: "todos os dias a comprar bilhete? ó pá sai-te mais barato comprar o passe!" Nunca mais me pediu dinheiro. Aliás, ele aproximava-se mas quando via que era eu, afastava-se logo! :-)

Mnemósine disse...

Filipa e Gata,

pois claro que as botas podiam vir de alguma instituição de caridade ou até serem roubadas. Mas eu desconfio sempre de quem pede dinheiro, para mim quem tem de facto fome (e dói-me a alma por saber que há muitos assim) pede comida. Se pedem dinheiro penso que não é para comida... e sei que devo errar com algumas pessoas ao assumir isso.
Uma coisa vos garanto: ser pedinte é complicado!