27 maio 2011

(sem título)

Prisão domiciliária é um conceito estranho.
Prisão para mim é sinónimo de castigo, de punição. Privação a vários níveis, mais ou menos conforme a gravidade dos actos cometidos, ou alegadamente cometidos, e durante mais ou menos tempo.
Prisão domiciliária, por si só, a meu ver, é um castigo mais leve que as outras formas de prisão.
É uma boa invenção mas está mal limada, o que faz disto um conceito estranho.

Neste caso do Strauss-Kahn, independentemente de ser culpado ou não daquilo de que o acusam, não vejo que tipo de prisão/castigo/punição possa ser para um homem como este passar a maior tempo num casarão enorme, com quatro casas de banho, zona de spa e ginásio, jardim privado e uma série de outras divisões grandes e arejadas. Sinceramente já passei férias em piores condições.
O maior incómodo parece ser uma pulseira que deve chatear um bocado. De resto, pode descansar, apanhar sol, ler e escrever, estar com a família e, não dúvido, ter acesso ilimitado a telefone, internet e , por conseguinte, ao mundo. Tudo isto com uma renda mensal superior ao ordenado anual de muito boa gente.

Em alternativa, note-se, o homem teria ficado encarcerado (com benefícios certamente, não vou agora por aí senão não paro de teclar). Ainda dizem que o dinheiro não traz felicidade...

4 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

A prisão domiciliária é uma forma do estado descartar de si a responsabilidade e a despesa de manter alguém preso. Desta forma o "preso" é que tem de pagar a sua alimentação e comodidades, para além da sua própria guarda, neste caso o polícia ou polícias que o vigiam. Nessa perspectiva até não acho a coisa mal pensada, porque o preso não fica de "férias" pagas no "hotel"!

Anónimo disse...

Tendo em conta que o senhor não foi ainda dado como culpado e está à espera de julgamento, acho que a medida de prisão domiciliária, se não representar risco de fuga, está bem adequada.

Mnemósine disse...

Aquilo que quero dizer com este post é que isto tem muito de domiciliário e muito pouco de prisão.

Um cidadão "comum" na mesma situação fica confinado a um espaço, sem luxos. Aguarda igualmente julgamento, mas numa forma de prisão menos pesada que ser encarcerado, mas ainda assim prisão. A casa de Strauss-Kahn não parece lá grande prisão. That's my point.

Inês disse...

É verdade, não parece. E percebo o que dizes. Mas a prisão preventiva ou a prisão domiciliária não são uma pena, são uma forma de impedir uma hipotética reincidência. Dito isto, acho uma vergonha ele ter as condições de luxo que tem.