24 maio 2011

Ódio de estimação CXIV

Odeio que dêem o meu número de telemóvel a quem quer que seja sem me perguntarem ou informarem.
Assim de repente, bam, é como se estivesse na lista telefónica. Conforme as pessoas, durante uns tempos (um dia ou dias, semanas, um mês ou dois) acaba-se o tempo para descansar e o tempo para fazer as outras coisas todas, acaba-se o que é pessoal no tempo pessoal e o que é profissional no tempo pessoal.
Depois cessa. Até haver outra pessoa a quem talvez, eventualmente, quem sabe, possa ajudar de alguma forma e que peça o meu número a uma pessoa - a certa ou a errada, conforme quem olha.

(vá digam lá, também vocês, que a culpa é minha que deixo)

1 comentários:

GATA disse...

Não dou números sem consentimento. E as pessoas estão instruidas para fazerem o mesmo em relação ao meu número. Se não... levam uma unhada e aprendem logo! :-)