08 novembro 2010

Corda bamba

Segundo uma chamada de capa do DN da sexta-feira passada, os actores das novelas da TVI estão a trabalhar a recibos verdes. Na capa lê-se "crise obriga televisões a pôr em prática planos de austeridade".
Primeiros, senhores das televisões, vão gozar com outro.
Segundo, acho isto péssimo.
Cada vez mais empresas recorrem aos recibos verdes para se livrarem das obrigações financeiras a que ficam sujeitas através de contratos, quem se lixa é o trabalhador. Em teoria os recibos verdes servem para aqueles trabalhos que se prestam aqui e ali, sem regularidade, coisas pontuais.
Mas o Ministério do Trabalho não devia controlar estas coisas? Não me lixem, a tvi tem rentabilidade mais que suficiente para poder fazer contratos a termo com os actores, pagar as obrigações que isso acarreta e assim ser uma entidade empregadora que se preze. E isto deve ser tão fácil de provar como fazer a prova dos nove. 
Giro mesmo era os actores decidirem no auge de uma novela que já não lhes apetece fazê-la e a partir do dia seguinte não iam lá pôr os pés. 
Sou apologista de que o Estado deve regulamentar e depois controlar o bom funcionamento das coisas, tal como acontece por exemplo com as declarações de impostos. Se por um lado entendo que trabalhar a recibos verdes é a opção de muitas pessoas - até têm um nome estrangeiro (freelancer) - por gostarem ou pela natureza da sua profissão, e que outras (muitas) preferem trabalhar a recibos verdes do que não trabalhar (quanto a mim a escolha certa), não percebo como se permite que cada vez mais empresas se desculpem com a crise para pôr em cheque um sistema que está criado (para funcionar, espera-se). O próprio Estado tem funcionários a recibos verdes, não se admite. 
Sobretudo neste país, se não há polícia faz-se tudo o que se pode. Chico-espertismo e falta de vergonha nuns casos, falta de opções no outro. 
E ainda falam da estabilidade económica do país..como pode um país ser estável se os seus cidadãos não têm oportunidade de o ser?

4 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Os políticos só querem estabilidade económica para eles ainda conseguirem ganhar mais (chupar) do que já ganham! Assim a modos de conseguir extorquir tudo o que podem! Daí que não há interesse nas pessoas, há interesse sim em salvaguardar os "direitos" dos "grandes", esses sim, nunca podem entrar em crise!

Lilith disse...

Subscrevo. O maior ladrão é o Estado. A minha mãe está há 20 e tal anos a recibos verdes e trabalha para a Segurança Social.

Black Sheep disse...

Ser freelancer não é sinónimo de recibos verdes, existe muito espaço para contratualização por ajuste directo por exemplo, o que implica óbviamente um registo na CRC.

Não posso deixar de concordar... Tenho trabalhado no Ministério da Saúde nos últimos anos mas como outsourcing.

Garanto que há muita gente muito competente, a produzir muito mais do que muitos dos que estão nos quadros da função pública, que se encontra nessa situação...

Acho que o mais injusto não é o meio de pagamento ou a falta de pagamento per si, é mesmo a forma como se ignora quem trabalha bem.

Infelizmente vivemos num país onde não se recompensa a qualidade e o empenho.

Mnemósine disse...

Black Sheep também por isso concordo com a avaliação dos profissionais das várias áreas, embora não da forma que tem sido proposta. É a única de se valorizar competências.