06 outubro 2010

(sem título)

Não percebo se é uma sede desenfreada de consumo ou uma tentativa de ter um stock de tudo o que é preciso para quando o iva subir, mas as minhas últimas incursões em espaços de venda ao público (leia-se centro comercial) têm sido marcadas pela constatação de que há ali muito mais gente do que era habitual. A sério, ir por exemplo ao supermercado comprar meia dúzia de tretas é coisa para hora/hora e meia, boa parte das quais gasta em esperas e passos de caracol na travessia de um corredor. E não falo só do feriado.
Eu própria sinto uma compulsão para comprar um pouco de tudo (simplesmente continuo à espera de um prémio no euromilhões) e não sei explicar se é pela prolongada abstinência - corta-se em tudo para se ter uma coisa que se quer, é a velha fórmula - ou pelo peso da noção de que isto vai piorar que me cria uma necessidade de um antidepressivo fácil e livre de químicos (coisas novas). 
A psicologia explicará.

2 comentários:

Blondewithaphd disse...

Não sei não, mas acho que ando nessa: gastar os últimos três meses de salário sem cortes. Ai life...

GATA disse...

"Prontus", está tudo explicado!

Há uns dias, fui num instante à "Loja do Tio Belmiro" comprar mantimentos para o felino doméstico e estive cerca de uma hora na fila!!! Ainda pensei que havia alguma promoção imperdível... especialmente porque a senhora que estava à minha frente tinha 3 (três!!!) esfregonas no carrinho...