10 setembro 2010

O meu afilhado

O meu afilhado está cá a passar os últimos dias que lhe restam de férias. 
Descrevendo o meu afilhado:
Tem 8 anos.
Conjuga muito bem o verbo querer na primeira pessoa do singular, tal como o verbo comprar na terceira do singular e primeira do plural. 
Não trouxe a Playstation cá para casa. Não sabe que faça à energia.

Hoje: fomos a três lojas para ele comprar um jogo para a PS (estava garantido), não gostava de nenhum (e descobria isto apenas por olhar por uns segundos para a contracapa) (também é verdade que a vida não está fácil para quem se vê obrigado a comprar jogos com classificação para 8 anos: 12+, 16+ e 18+ viu ele muitos e o que queria mesmo era o GTA ou similar). Acabámos por voltar à primeira loja, onde comprou um em que nem tinha reparado antes de eu lhe chamar a atenção para o facto de serem 3 jogos em 1 (se fosse sempre tão fácil...).
Pelo meio ainda consegui explicar-lhe o que é um cartão de crédito e um contribuinte, passando pelo facto de todos (teoricamente, não expliquei isso) contribuirmos para o Estado através de umas coisas a que se chama impostos.

Posto isto, acho que sou uma boa madrinha.

2 comentários:

Zélia disse...

Eu também tive a minha afilhada na minha casa uns dias.
Descubri que até posso ser uma boa madrinha quando ameio da noite antes de ela acordar a chorar porque tinha tido um pesadelo eu já estava acordada a olhar para ela.

Mnemósine disse...

Acho que sim, estamos no bom caminho.