30 setembro 2010

Amor de Perdição LXXX

Gosto de email por permitir um contacto muito mais próximo do que qualquer outro meio. 
Lembro-me dos tempos de escola (sem net e sem telemóveis) em que imensas histórias de verão se perdiam pelo tempo que as separava do regresso às aulas. Conservo ainda algumas cartas desse tempo, onde se contam algumas coisas mas onde, inevitavelmente, falha a dinâmica pergunta-resposta.
Lembro-me de ter a minha mãe à perna por falar ao telefone durante meia hora. (Ela fazia pior)

Há um conjunto de pessoas com quem falo sobretudo por email e assim consigo conservar a presença na suas vidas e delas na minha. Sabem talvez mais do que quem me vê todos os dias, pelo simples facto de perguntarem sobre aquilo que nunca perguntamos.

2 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Se fosse noutros tempos devias ser adepta das cartas escritas à mão!

Mnemósine disse...

Na altura das cartas era, L'Enfant, e ainda sou. Mas perde-se muito enquanto se espera pela próxima carta..