27 agosto 2010

Estejam calados. E calem-se.

Vaticano compara expulsão de ciganos a "novo holocausto"

Sempre ouvi dizer que em boca fechada não entra mosca e o Vaticano insiste em desperdiçar belíssimas oportunidades para ficar caladinho.
Se em vez de se porem a dizer barbaridades fossem ler uns livrinhos de história (têm memória curta ou andaram distraídos durante o holocausto? se calhar foi mais isso.), faziam melhor figura.
Em França perseguiram-se ciganos? Penso que não.
Mataram-se ciganos em nome desta acção? Penso que não.
Expropriou-se algum cigano? Humilhou-se? Tratou-se alguém como se trata gado?
 
Enfim, fraca comparação, sobretudo vinda de uma instituição que durante séculos (sé-cu-los) matou violentamente tantas pessoas quantas quis, sob o pretexto único de não acreditarem no mesmo deus (aquele que "era" imposto por eles).

6 comentários:

L'Enfant Terrible disse...

Podiam sempre oferecer a Cidade do Vaticano para os ciganos acamparem lá!

PomPix disse...

Têm sempre de pôr o nariz em assuntos da responsabilidade dos governantes de cada país. Agora calhou ser a França.

Pintas disse...

é por isso que já nem me dou ao trabalho de ouvir as palavras vindas do Vaticano.

Fuschia disse...

Estão a fazer o discurso da caridadezinha, como qualquer bom cristão gosta de fazer, assim bem ao longe com a vida e decisões dos outros. Se os ciganos se virassem todos para o Vaticano e fosse a Igreja a alimentá-los de certeza que os punham dali para fora muito mais rápido que os franceses.

GATA disse...

Faço minhas as palavras do L'ENFANT!

Cat disse...

Qualquer imigrante ilegal quando apanhado deve ser deportado, é normal, são as regras, agora calhou serem ciganos, no Canadá foram portugueses, é assim, são as regras do jogo. Porque não então os ciganos deportados tentarem a sua sorte na Praça de S. Pedro?