20 julho 2010

Ódio de estimação LXXIII

Odeio quando alguém se põe a falar como se não houvesse amanhã nem mais ninguém no mundo, num monólogo interminável, imensamente descritivo em que a única coisa que os interlocutores, vulgo audiência, têm tempo para dizer é hmhm.

Di-á-lo-go. Geeeeeeez.

3 comentários:

Fuschia disse...

Há tanta gente assim...

Mi disse...

Também odeio! E tenho uma amiga que é assim, que coisa irritante!
kiss

costela de adão disse...

Em tempos tive uma amiga (pensava eu na altura) que fazia o mesmo. Adorava ouvir-se a si mesma. E claramente não ouvia os outros porque chegou a interromper algo que eu dizia com uma conversa que nada tinha a ver. Ou seja, nem me estava a ouvir, ouvia os seus pensamentos. Adorável, não é?