31 maio 2010

Ambiente e propaganda

Por mais filmes e documentários que veja ou notícias que leia sobre temas ambientais (sendo que temas ambientais de há uns anos para cá se resume a "demos cabo disto, vamos todos morrer" vs "isto é um ciclo, por favor mantenham-se calmos") acabo sempre na mesma. Ou escolho acreditar piamente no que me dizem ou escolho duvidar daquilo que me apresentam, baseando-me no instinto (rsrsrs) e na contra-argumentação que me chega. 
Isto porque ninguém me deu formação para conseguir perceber estas coisas sequer no essencial.
Aliás, a mim nunca sequer me ensinaram "oficialmente" a poupar recursos, sobretudo os naturais, a reciclar ou a não poluir. Não deitar papeis para o chão não conta como ensinamento de prevenção de pegada ambiental. É que para saber o que vai para o caixote amarelo bem podia ter esperado pelos miúdos giros dos anúncios da tv. E mesmo assim, nada mau. É que ainda estou para que me digam como é que se explica a alguém que tem de poupar água se qualquer lugar onde se vá há torneiras automáticas que ficam horas a deitar água que ninguém usa. Isto para pegar só nas coisas basicazinhas.
Sei lá eu se o gelo que derrete e o que se forma estão a seguir o seu curso normal ou se o sol me está a fazer pior do que fez à minha bisavó. O que eu sei é que ainda na semana passada me questionava se não seria melhor calçar umas botas e ainda ontem me gozaram por estar de casaco de malha. Mas vem um Al Gore e diz que é o ai Jesus, aparecem outros que dizem que o homem é um alarmista propagandista. 
A mim nunca ninguém explicou nada a não ser por meio de grandes acções de marketing. Muito giro, tudo. E até se fala muito do tema e somos todos amigos do ambiente. Eu separo o lixo e depois dizem-me que não há sítios para o reciclar. Comprei o caixote com oferta dos autocolantes a dizer o que se põe em cada cor (brincadeira de crianças) e afinal era só isso. Bravo, conseguiste, começa de novo. Enquanto isso vamos aqui investir em energias alternativas. Pára tudo! Isso é inestético.
Tudo isto porque há mais de um mês que a BP tem um esguicho de petróleo a verter 2 a 3 milhões de litros/dia, não há meio de dar conta daquilo e ainda ninguém me explicou 1)quais são as consequências daquilo, 2) o que é que se vai fazer quando finalmente controlarem o problema e 3)quais são as probabilidades daquilo acontecer em qualquer outra central do género. Já disse que foi há mais de um mês?

2 comentários:

Carlos Rangel disse...

É mau de mais! Ainda hoje vi os noticiários e eles não fazem como parar aquilo... a vantagem é que vai chegar a um ponto que em vez de ir abastecer o carro à bomba de gasolina, vou à praia! ;)

Bjs!

Mnemósine disse...

E nessa altura será mesmo a única coisa que lá irás fazer.