17 fevereiro 2009

José António Pinto Ribeiro

Para quem não sabe, o nosso ministro da Cultura.
Figurinha bem apagada, não?
Bem sei que não há dinheiro e essas coisas todas que fazem sempre com que a cultura seja a primeira a ser esquecida mas ou eu estou muito enganada, ou não é preciso muito dinheiro para falar e lembrar as pessoas que a cultura nem sempre é cara e que existe.
Mas realmente é pena que muitas vezes a cultura seja cara.

7 comentários:

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

E por vezes, quando é gratuita, ninguém vai?!!

Beijo meu ♥,

A Elite

Mnemósine disse...

Muitas vezes os eventos nem são publicitados.
As vezes so se sabe que aconteceram.
E para isso não seria necessário muito dinheiro, se tivessem um bom site os interessados criariam o habito de por lá passar.

Inês disse...

É verdade que a cultura é cara e que não é publicitada quando é à borla, mas talvez também seja preciso um público receptivo aos eventos que vão acontecendo. Pelo menos, um público que não seja o do costume.

Mnemósine disse...

Inês tens toda a razão! E mesmo para cativar publico ajudava haver algum interesse nisso e só o facto de se ouvir falar no ministro da cultura e de o ouvir falar (na comunicação social - grátis para eles) penso que ajudaria. Não achas?

Inês disse...

Acho, a haver algum interessado teria de ser o ministério/ministro da cultura. Mas ele não parece estar muito interessado. Quanto à comunicação social, parece-me que se preocupa mais em responder ao que a maioria quer do que em alterar mentalidades (a sério, magazines culturais apenas de madrugada?). Acho que, enquanto for assim, a cultura há-de continuar a ser encarada como uma coisa de elites/ricos, ainda que não o seja.

_+*A Elite in Paris*+_ disse...

Pena que nem visibilidade tenha. Fui pela primeira vez ao teatro a semana passada e o lugar custava "apenas" 16 euros. Sempre pensei que seria nos 50 euros!

Beijo meu ♥,

A Elite

Mnemósine disse...

Elite se já soubesses já terias começado a ir há mais tempo, não?
Gostaste?
Eu gosto imenso de ir ao teatro, mas não vou com muita frequência.